Amazônia

AMAzônia: a floresta e as mulheres indígenas

A Amazônia sobrevive a diversos processos de esquecimento e destruição. A região enfrentou diversos apagamentos — linguístico, cultural e histórico — e seus habitantes sofreram violências físicas e simbólicas que reverberam até os dias atuais. Entretanto, alguns grupos locais, como as mulheres indígenas, resistem e lutam para mudar esse cenário. Neste Dia da Amazônia e Dia Internacional das Mulheres Indígenas, a Braziliando compartilha a importância desse lugar que nos acolheu e que agora acolhe nossos viajantes, na missão de gerar outras visões de mundo e transformações positivas.

A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo, tanto por sua extensão territorial quanto pela sua rica biodiversidade. Segundo dados do Arpa (Programa Áreas Protegidas da Amazônia), são mais de 600 tipos diferentes de habitat (terrestres e aquáticos) com cerca de 45 mil espécies de plantas e animais vertebrados. Toda essa riqueza ocupa aproximadamente 6,7 milhões de km², sendo que 60% desse total se encontra em território brasileiro. 

A importância da Amazônia é reconhecida internacionalmente e a floresta abrange cerca de 10% de toda a diversidade do planeta. Além disso, ela tem um papel fundamental para a estabilidade climática mundial, já que as intensas trocas de gases e vapor d’água que acontecem lá, fornecem serviços ambientais importantíssimos ao redor de todo o globo. É também na região que se encontra o maior rio do mundo em volume de água, o Rio Amazonas, e a maior bacia hidrográfica do planeta: a bacia amazônica. São 25 mil quilômetros de rios navegáveis!

Imagem de um rio com água escura sob um céu com muitas nuvens. No canto direito, um pedaço da floresta.
Fotógrafo: Vivek Gandhi

Algumas espécies de animais, como peixes de água doce, aves e primatas, são mais diversas na Amazônia do que em qualquer outro lugar no mundo. Quando falamos no bioma amazônico, estamos falando de 49% do território nacional (segundo o IBGE), por isso, devemos considerar que boa parte dessa biodiversidade ainda é pouco conhecida pelo ser humano.

Uma relação de troca

A floresta proporciona segurança alimentar e saúde para muitas famílias. As frutas amazônicas, por exemplo, além de auxiliarem na prevenção e cura de doenças, também oferecem nutrientes importantes. A castanha possui níveis de proteína semelhantes ao leite de vaca e a polpa de buriti possui uma das maiores quantidades de vitamina A entre todas as plantas do mundo. 

Imagem de uma mão tocando o tronco de uma árvore. Ao fundo, é possível ver as sombras de outras árvores e a luz do sol
Fotógrafa: Nathália Segato

Os povos originários fazem parte da floresta. Com um conhecimento ancestral, eles possuem um grande domínio sobre as peculiaridades do território e vêm, durante todo esse tempo, transformando positivamente a abundância e distribuição das árvores. São mais de 180 povos indígenas e outros grupos isolados vivendo neste lugar.

Mas a Amazônia também é a casa de seringueiros, quilombolas, ribeirinhos, pescadores artesanais, agricultores familiares, piaçabeiros (extrativistas da fibra da palmeira da piaçava), peconheiros (extrativistas de açaí) e muitas outras populações tradicionais. 

Ver como esses grupos aliam seus conhecimentos a seus modos de vida e contribuem para a sustentabilidade na região é transformador. Na Vivência Baré, você pode vivenciar o dia-a-dia amazônico, conhecer sobre os costumes locais, navegar pelo rio, se aventurar na mata e presenciar de perto toda a beleza e riqueza desse lugar. Atualmente, a experiência está suspensa devido à pandemia, mas você pode preencher o formulário de reserva em nosso site e receber em primeira mão as atualizações sobre a retomada das atividades presenciais quando acontecerem.


A preservação da Amazônia é importante para a biodiversidade brasileira, é uma questão de saúde pública, uma preocupação mundial, uma necessidade econômica e, principalmente, uma urgência para os povos e comunidades tradicionais.

Amazônia: substantivo feminino

Somos filhas das ribanceiras
Netas de velhas benzedeiras
Deusas da mata molhada
Temos no urucum a pele encarnada.
Lavando roupa no rio, lavadeiras
No corpo um gingado de carimbozeiras
Temos a força da onça pintada
Lutamos pela aldeia amada.

Trecho do Poema de Márcia Wayna Kambeba

Hoje, dia 5 de setembro, comemoramos também o Dia Internacional das Mulheres Indígenas. Das Icamiabas, as primeiras guerreiras brasileiras, até Cunhaporanga, a jovem indígena com mais de 2 milhões de seguidores no TikTok, as mulheres indígenas são exemplo de força, cuidado e sustentabilidade. 

Antigamente, as mulheres indígenas eram vistas como geradoras e guardiãs dos mitos e das lendas, hoje, discute-se e procuram evidenciar o papel delas na luta dos povos indígenas e na preservação da Amazônia. Com mais participação nas decisões coletivas e ocupando lugares de destaque e liderança, elas são resistência e referência para outras mulheres e para sociedade. Joenia Wapichana, a primeira mulher indígena eleita deputada federal; Kokoti Xikrin, a primeira mulher cacique do povo Xikrin; Madalena Caramuru, a primeira mulher alfabetizada no Brasil era indígena; são apenas alguns exemplos de mulheres indígenas potentes.

Imagem de duas moradoras da comunidade Baré na beira do rio, trabalhando em uma superfície de madeira com alguns utensílios.
Fotógrafa: Nathália Segato

As mulheres exercem um papel poderoso no conhecimento e no uso do patrimônio florestal não-madeireiro. Suas relações com a água, com os animais e com as plantas, demonstram um cuidado com a natureza e preocupação com sua conservação. Elas não são as “jardineiras do mundo”, mas as atividades que exercem são muito próximas do conceito de equilíbrio da relação natureza-sociedade.  

Que esta data seja lembrada e celebrada como a representação da luta para que estes corpos, territórios e espíritos não sejam mais violados e oprimidos.

Mulheres Indígenas Baré

Não poderíamos deixar de homenagear também  as mulheres indígenas de Nova Esperança, comunidade parceira da Braziliando. Além de exemplos de força e cuidado, elas nos inspiram e nos ensinam constantemente.

A todas as mulheres Baré nossa gratidão por esses anos de aprendizado e colaboração. A sabedoria, determinação e alegria de vocês são transformadoras e carregam o verdadeiro significado de ser Amazônia.

Imagem de três mulheres da comunidade Baré na varanda de uma casa. Na esquerda, uma mulher segurando um bebê, no centro uma criança e à direita, uma adolescente segurando o batente de madeira azul da entrada da casa.
Fotógrafa: Amanda Magalhães

Gostou de conhecer um pouco sobre as mulheres de Nova Esperança? Você pode conhecer mais mulheres inspiradoras e toda a comunidade indígena Baré através da nossa viagem online. Leia mais sobre a Conexão Baré e saiba como participar do próximo embarque.

Diretrizes do turismo sustentável

Diretrizes do turismo sustentável: entenda!

Frequentemente, quando viajamos, respeitamos um regulamento sem realmente entender a sua origem e as razões de sua existência. Algumas regras podem parecer triviais, mas são responsáveis por garantir o respeito e a sustentabilidade, que há muito estão ameaçados. Essas precauções são ainda mais importantes em visitas a comunidades tradicionais, como a indígena e ribeirinha que recebe os viajantes da BraziliandoConfira a seguir 7 diretrizes do turismo sustentável e comunitário, explicadas e dissecadas, para que não sejam mais desprezadas!

1. Não interaja com animais silvestres 🐍🐊🦥

Para uma viagem ser sustentável, é necessário que possa se reproduzir ao longo do tempo sem afetar o ecossistema em que é realizada. Uma viagem responsável exige a responsabilidade do operador turístico, que não deve envolver o viajante em atividades prejudiciais à natureza, e também do viajante, que deve se privar de alimentar ou acariciar animais, por exemplo.

2. Valorize a produção local 🇧🇷

Prefira adquirir suas lembranças de viagem diretamente de artesãos locais. Desta forma, não só você parte com uma recordação única, especial e cheia de significado, mas também ajuda a comunidade, mantendo viva a sua arte e fortalecendo sua economia.

Artesanato da aldeia Baré parceira da Braziliando. Foto por Nathália Segato.

3. Não faça uso de álcool, cigarro e outros intoxicantes 🚭

Entorpecentes podem interferir na sua experiência e prejudicar a comunidade, uma vez que atos inconscientes podem gerar acidentes e consequências indesejadas. Além disso, as drogas podem ter um impacto negativo e um efeito de longo prazo, gerando vícios e maus comportamentos entre os comunitários.

4. Opte por viagens mais longas e viaje em pequenos grupos 🛤️

É preciso tempo para se conectar com as pessoas, conhecer de verdade o destino e mergulhar em uma nova realidade. Portanto, para ter uma vivência autêntica, se planeje para uma viagem com tempo suficiente para uma real imersão. Além disso, prefira viajar em pequenos grupos para garantir uma maior conexão com outros viajantes e com os anfitriões. Essa atitude também ajuda a mitigar os impactos negativos do turismo de massa.

5. Peça permissão antes de bater fotos 📸📸📸

Se coloque no lugar do outro! Provavelmente você se sentiria mais confortável dando seu consentimento antes de ser fotografado e preferiria conhecer a pessoa por trás da câmera e saber o que pretende fazer com a foto antes de dar sua permissão, certo? Por isso, além de sempre pedir autorização (seja para um adulto ou para os pais das crianças), aproveite a oportunidade para se apresentar e conhecer melhor a pessoa que quer retratar.

6. Vista-se apropriadamente 👚

Entenda como as pessoas costumam se vestir no destino para não desrespeitar os costumes locais e criar barreiras e conflitos. Se estiver se aventurando na floresta, por exemplo, primeiramente opte por praticidade em vez de estilo. Além disso, tenha em mente que a simplicidade é uma marca de respeito e humildade.

Cristiano, morador da comunidade, conduzindo viajantes na trilha pela floresta. Foto por Nathália Segato.

7. Respeite a cultura e as tradições locais 🌚🌝

Sabendo que as necessidades e o estilo de vida são diferentes, esteja disposto a adotar o modo de vida local, mesmo que isso signifique se privar de coisas que fazem parte da sua sociedade. Além disso, evite comparações diretas ou indiretas entre as duas sociedades. Se gabar do seu estilo de vida pode gerar inveja e frustração. Da mesma forma, elogiar excessivamente a vida dos habitantes locais pode ser reducionista e desconsiderar os problemas e desafios sociais inerentes à região.

Aí estão algumas diretrizes do turismo sustentável e informações que podem ajudá-lo a entender melhor o porquê de alguns códigos de conduta! 

De um modo geral, o turismo comunitário e sustentável visa a criar uma experiência autêntica, diferente das formas tradicionais do turismo de massa. Não mais turistas, mas viajantes, aqueles que procuram uma experiência como a da Braziliando entendem a importância de se afastar do etnocentrismo

Afinal, preferimos viajar de mente e coração abertos rumo ao diferente e ao desconhecido!